Como melhorar a nutrição pós-parto: 5 dicas para manter a mamãe saudável

Tori Schmitt, MS, RDN, LD05/21/19

Olá, bebê!  A chegada de um bebê traz consigo chamegos gostosos, sorrisos preguiçosos e, é claro, responsabilidades extras a respeito da alimentação infantil. Mas, às vezes, no meio de toda a atenção dada ao bebê (correto!), a nutrição materna pode não receber o devido cuidado.

Veja o que aconteceu comigo: mesmo sendo nutricionista habilitada, como mãe de primeira viagem, achei difícil obter nutrição de qualidade durante os primeiros meses de vida de meu filho – especialmente nas primeiras semanas. Parece absurdo, mas nas primeiras semanas pós-parto havia muitas outras coisas novas para serem pensadas e feitas. Em algum momento, entre sentimentos de alegria e exaustão de ser mãe, ignorei minha saúde e bem-estar. Felizmente, reconheci que, para que eu pudesse cuidar bem do meu bebê, também precisava bem cuidar de mim mesma – com uma nutrição adequada.

Quando uma mulher amamenta (como eu!), aumenta sua demanda por vários nutrientes.  Na verdade, a demanda da lactante por vários nutrientes – incluindo vitamina C, colina e vitamina B12– são ainda maiores que durante a gravidez!1-2 

O que uma lactante pode fazer para melhorar sua saúde e bem-estar durante o pós-parto? Minhas melhores dicas para nutrição pós-parto:

Dica 1 para nutrição pós-parto: alimente-se com frequência!

Não é nenhum segredo que cuidar de um bebê requer muito tempo e energia. Assim como um bebê precisa ser alimentado com frequência, a mãe também precisa. Mães lactantes devem se alimentar quando sentem fome, de preferência com um certo ritmo durante o dia. Em vez de esperar até que o bebê durma ou uma refeição seja preparada, mamães podem saciar aquela fome súbita com porções rápidas como um sanduíche de creme de amendoim, frutas frescas, castanhas ou um ovo cozido.

Dica 2 para nutrição pós-parto: prefira alimentos com carboidratos, proteínas e gorduras saudáveis. 

Carboidratos, proteínas e gorduras proporcionam benefícios únicos durante o puerpério. Cada um desses alimentos fornece energia à mãe e pode influenciar a saúde do bebê. Curiosamente, quando a mãe consome mais ácidos graxos ômega-3 (como EPA e DHA), maior é a presença desses ácidos no leite materno.3 Embora seja necessário uma investigação mais conclusiva que elucide os benefícios dos ômega-3 para a saúde do bebê, estudos sugerem que o fornecimento de ômega-3 DHA através do leite materno pode trazer vantagens para o bebê, como por exemplo, respaldo ao desenvolvimento cognitivo.3-6

Dica 3 para nutrição pós-parto: consuma uma variedade de alimentos ricos em nutrientes! 

Alimentos como hortaliças, frutas, legumes, grãos integrais, castanhas, sementes e peixes gordurosos devem ser consumidos regularmente por uma lactante. Comer alimentos variados ajuda a obter as vitaminas e minerais necessários durante a amamentação. Além disso, um padrão alimentar saudável ajuda a manter o bom humor. Embora mais pesquisas sejam necessárias, algumas evidências encorajam o consumo de alimentos saudáveis, multivitamínicos, peixes e ácidos graxos polinsaturados (incluindo ômega-3), cálcio, vitamina D, zinco e selênio antes e depois do parto para manter o bom humor da mãe.7-8

Dica 4 para nutrição pós-parto: procure ajuda se puder!

Como diz um ditado africano: é preciso uma aldeia para criar uma criança! Assim, aceitar ajuda extra contribui muito para desenvolver e dar continuidade a padrões alimentares mais nutritivos para uma lactante.  Para se alimentar de forma saudável com um bebê a tiracolo, considere a ideia de compartilhar refeições com amigos e família: você prepara maior quantidade de um prato, uma amiga prepara outra receita e vocês trocam! Assim, cozinhar fica mais fácil e a variedade de alimentos e sabores aumenta. 

Apoio extra também pode vir de suplementos alimentares ou alimentos fortificados que possam complementar uma dieta saudável. Se você quer obter os benefícios dos ômega-3 EPA e DHA sem consumir peixes gordurosos, lembre-se de suplementos alimentares ou alimentos fortificados com MEG-3®, marca de óleo de peixe de alta qualidade. 

Dica 5 para nutrição pós-parto: lembre-se que você não precisa se alimentar "perfeitamente"!

Não se preocupe – sua alimentação não precisa ser perfeita no período pós-parto, pois não existe uma definição para "alimentação perfeita". Empenhar-se por adequação, equilíbrio, moderação e variedade com objetivos simples em mente é um excelente ponto de partida. Você consegue, mãe!

Siga MEG-3 no Facebook @MEG3omega3 para obter as dicas mais recentes de especialistas para uma saúde melhor em todas as etapas da vida. 

Referências

  1. Dietary Reference Intakes (DRIs): Vitamins, Food and Nutrition Board, Institute of Medicine, National Academies, nationalacademies.org/hmd/~/media/Files/Activity Files/Nutrition/DRI-Tables/7_ Nutrients Summary.pdf?la=en.
  2. Dietary Reference Intakes (DRIs): Elements, Food and Nutrition Board, Institute of Medicine, National Academies, nationalacademies.org/hmd/~/media/Files/Activity Files/Nutrition/DRI-Tables/6_ Elements Summary.pdf?la=en.
  3. Evidence-based Nutrition Practice Guideline on Breastfeeding: Dietary Factors, Breast Milk, and Infant Outcomes published 2008 at https://www.andeal.org/topic.cfm?cat=4080&menu=3579 and copyrighted by the Academy of Nutrition and Dietetics.  Accessed 04 May 2019.
  4. Helland IB, Smith L, Saarem K, Saugstad OD, Drevon CA. Maternal supplementation with very-long-chain n-3 fatty acids during pregnancy and lactation augments children's IQ at 4 years of age. Pediatrics. 2003; 111: e39-e44.
  5. Carlson SE, Colombo J. Docosahexaenoic Acid and Arachidonic Acid Nutrition in Early Development. Adv Pediatr. 2016;63(1):453–471. doi:10.1016/j.yapd.2016.04.011
  6. Koletzko B., Lien E., Agostoni C., Bohles H., Campoy C., Cetin I., Decsi T., Dudenhausen J.W., Dupont C., Forsyth S., et al. The roles of long-chain polyunsaturated fatty acids in pregnancy, lactation and infancy: Review of current knowledge and consensus recommendations. J. Perinat. Med. 2008;36:5–14. doi: 10.1515/JPM.2008.001.
  7. Golding J, Steer C, Emmett P, Davis JM, Hibbeln  JR. High levels of depressive symptoms in pregnancy with low omega-3 fatty acid intake from fish.  Epidemiology. 2009;20(4):598-60319289957
  8. Sparling, T. M.,  Henschke, N.,  Nesbitt, R. C., and  Gabrysch, S. ( 2017)  The role of diet and nutritional supplementation in perinatal depression: a systematic review, Maternal & Child Nutrition,  13, e12235. doi: 10.1111/mcn.12235.

Postagens recentes


Este site utiliza cookies para armazenar informações no seu computador.

x